ian_manfeld1_edited.jpg

Foto | Ian Manfeld

Manifesto Viral

A gente pensa, observa, chora e sente.

Máscaras escondem o desespero de um povo sedento por mudanças. O mundo como conhecíamos já não é mais o mesmo – e talvez nunca será.

Tudo o que conhecíamos é história. Os abraços, a convivência, a falta dela. Saudade, saudade dos amigos, da família, saudade de uma rotina despreocupada. Saudade de um tempo que foi. 

Mal se pode enxergar a luz no fim desse túnel ainda tão incerto. Descrença, medo e isolamento preocupam uma sociedade que um dia já foi conhecida por ser tão calorosa. Será que ainda gritaremos aos choros por um gol do Brasil na Copa do Mundo? Será que ainda viveremos ansiosos pelo fim de semana regado a cerveja e churrasco com os amigos? 

Um vírus desconhecido trouxe a maior pandemia de todas: a incerteza.

Incerteza se um dia sairemos dessa situação. Incerteza se um dia veremos nossos amados de novo. Incerteza se um dia voltaremos a viver com a convicção de um povo que acredita que tudo é possível. Um povo forte, cheio de esperança e às vezes até ingênuo. Nossa sensibilidade vem da herança de um povo que sempre lutou e continua lutando. 

Histórias que nos contaram, histórias que contaremos. Histórias também estão acontecendo agora – e quem irá contá-las?

Escrevemos com a sede desse povo que acredita até o último segundo. Informamos pela saudade, pela esperança e pela fé de que um dia sentiremos os abraços calorosos que tanto amamos novamente. 

O jornalismo e a imprensa nunca foram tão descredibilizados. Mal entendem estes que o jornalismo é quem conta essas histórias. O jornalismo é a esperança de que em breve poderemos enxergar aquela luz no fim do túnel. Queremos ser parte de quem traz de volta essa esperança – e não o medo. 

Tememos por um povo que se perdeu em falsas esperanças, e por isso iremos combatê-las com a garra que vem de herança. O grito do Ipiranga ecoará novamente – e isso não é promessa. É dívida. Essa dívida será paga e compensada apesar de todas essas incertezas. 

Não sabemos quando ou se um dia sairemos dessa. Mas se há algo em que ainda podemos depositar a última faísca de certeza que nos resta é de que quando sairmos, sairemos juntos – e esperamos que seja VIRAL.